segunda-feira

Vai viajar nas férias? Leve lanches leves na mala e faça refeições pequenas

Oi Pessoal,

Como manter uma boa alimentação nas estradas e no período de férias?

Nas férias muita gente coloca o pé na estrada. Mas como manter uma boa alimentação nas estradas e no período de férias? A nutricionista Lara Natacci e a endocrinologista Erika Parente deram dicas no Bem Estar.

Vai viajar? Leve lanches leves e faça refeições pequenas. Frutas secas e barrinhas são opção para comer dirigindo porque dão energia. Na estrada, é comum o corpo inchar porque passamos horas sentado. Por isso, evite embutidos e alimentos com muito sódio. Prefira alimentos com cálcio, magnésio e potássio.
  • Dão saciedade: frutas, pão integral, proteína
  • Dão energia: frutas secas, barrinhas
  • Diminuem o inchaço: leite, iogurte, frutas secas, folhas escuras, produtos integrais
Seja qual for o horário, uma alimentação leve, saudável e equilibrada pode ajudar e muito a garantir uma viagem agradável e tranquila. Além da alimentação, é importante dormir bem antes de viajar. As especialistas dão mais dicas: coma pouco e beba bastante água!

Seja consciente e caia na estrada com saúde!
Personal Trainer Bárbara Campana

Exercícios físicos ajudam a aliviar a Mente.

Oi Pessoal,
Ao contrário do que muitos pensam, a sensação de relaxamento e de alívio das tensões não está unicamente ligada ao descanso. Tudo bem que é fato mais que comprovado que, para ter qualidade de vida e bem-estar, é necessário, sim, fazer pausas em meio à rotina estressante, dormir bem e descansar. Mas se mexer e cansar também podem trazer grandes benefícios tanto para o corpo como para a mente, proporcionando uma vida mais leve, feliz e relaxada.
A prática de exercícios é capaz de amenizar o estresse e fazer qualquer um encarar o dia a dia de forma mais tranquila. Além de favorecer o corpo, promover a manutenção do peso, otimizar o sistema cardiovascular, melhorar a postura e o condicionamento físico, praticar atividades físicas ajuda diretamente no controle da ansiedade, no aumento da disposição e no equilíbrio hormonal. Quer entender por que isso acontece e descobrir quais são as atividades mais indicadas para relaxar? Então confira já nosso artigo:

Malhar o corpo para ajudar a aliviar a mente
Os benefícios proporcionados ao corpo pelos exercícios têm uma explicação neuroquímica. A prática de atividades físicas aeróbicas reduz significativamente os níveis de adrenalina e cortisol, hormônios diretamente ligados ao estresse. Além disso, exercitar-se estimula a produção de endorfina, componente químico cerebral que alivia as tensões e provoca sensações ligadas ao relaxamento e ao otimismo.

Aeróbica para ativar o cérebro e promover o bem-estar
Os exercícios aeróbicos de alto gasto calórico — como o futebol, a natação, o vôlei e a dança, por exemplo — aumentam a produção de endorfina, que, por sua vez, é responsável por promover o prazer e o bem-estar. Para completar, essa categoria de exercício é capaz de aprimorar funções cognitivas, melhorando a memória e o raciocínio lógico. Simplesmente não restam dúvidas de que a aeróbica faz bem não só para o corpo, como também para a mente.

Alongamento para ficar mais feliz e tranquilo
O alongamento é uma atividade simples, mas super poderosa para estimular a liberação da serotonina, um neurotransmissor que ajuda na promoção do bem-estar. Perfeito para aliviar as tensões, melhorar a postura e otimizar a flexibilidade e a respiração, o alongamento é um dos exercícios mais indicados para quem está estressado e deseja se acalmar. Como se não bastasse, o alongamento promove a diminuição da rigidez muscular e a renovação das células.

Yoga para relaxar profundamente o corpo e a mente
A yoga é uma atividade que promove o relaxamento da musculatura, diminuindo problemas como insônia, nervosismo, irritabilidade, impaciência e ansiedade. Além disso, a yoga é um santo remédio para melhorar a postura, diminuir as tensões, otimizar a respiração e gerar o bem-estar holístico, uma vez que relaxa corpo e mente na mesma proporção.

Corrida para melhorar o funcionamento do cérebro
Sabia que correr também pode fazer muito bem para sua mente? A prática da corrida aumenta o número de neurônios e melhora funções cerebrais relacionadas à percepção, à memória, à atenção e até à linguagem. De quebra, depois de correr de 30 a 60 minutos, você vai se sentir mais feliz e relaxado, pronto para encarar o dia de maneira mais tranquila, além de favorecer sua qualidade de sono.


Viu como ter uma rotina de atividades físicas pode ajudá-lo — e muito! — a aliviar as tensões e relaxar? Então nos conte: qual das atividades listadas aqui mais chama sua atenção? Já pratica algum tipo de exercício em sua rotina? Comente e divida suas impressões e experiências conosco!

Gostou? 
Espero que sim e se inspire neste inicio de ano para ter uma rotina de exercícios físicos e relaxar mais sua mente.
Personal Trainer Bárbara Campana

terça-feira

Desafio FIT Engole o Choro

DESAFIO FIT ENGOLE O CHORO:

Este desafio é realizado tradicionalmente todo inicio do ano letivo.
O objetivo deste Desafio é juntos perdermos peso de modo saudável e visando sempre a qualidade de vida e a individualidade de cada participante. 

QUEM PODE PARTICIPAR: Alunos/familia/amigos que buscam neste inicio de ano Emagrecer, Definição Muscular, Desintoxicar o corpo de alimentos como gordura, açúcar e sal, Melhorar sua rotina de exercícios, melhorar sua rotina de alimentação e  eliminar os quilos das festas de final de ano.  I(caso tenha esquecido de algum outro por favor, me falar).

DATA: 02/01/2018 á 02/02/2018
Entregar o peso ate dia 03 de janeiro por foto e data escrita num papel no meu whats pessoal.

REGRAS:
1) CADA um será identificado por números
2) Só vale a participação das pessoas que enviarem o peso ate dia 03, podendo ser parte do grupo Engole o Choro ou tb amigos e familiares que respeitem as regras.
3) Não é permitido o uso de substâncias , laxantes ou quaisquer outros para perder peso, ou seja, o emagrecimento deve ser feito de forma saudável, melhorando sua rotina de exercícios e alimentação. 
4) o Peso final deve ser entregue da mesma forma até dia 02 de fevereiro.

Premiação:
Será definido ao longo do processo. Mas fiquem tranquilos, o grande objetivo é melhorar seu corpo, a sua vida e sua disposição e isto já esta garantido que cada participante terá, cada um  de acordo com seu esforço e dedicação.

Aqui vamos trocar ideias, receitas, dia a dia, motivação das experiências que cada um esta tendo no processo.

Estou aqui para ajudar vcs, (claro que eu não vou participar este ano, senão afundo o grupo todo rsrsrsr.. aqui estamos engordando cada dia mais....)



Então desafio lançado, espero que abracem a ideia e vamos juntos!!!

Beijos,

Profa. Bárbara Campana

quarta-feira

Os benefícios da ioga para gestantes

Oi Pessoal, 


 Estar grávida é uma benção! tão especial e único que não dá para descrever. São muitas transformações e muitas variações de corpo, humor, rotina... enfim.... tudo isso vale a pena.


O Ioga esta na minha rotina por filosofia de vida e sempre me ajudou no equilíbrio da mente, corpo, ainda mais agora. Com os hormônios a flor da pele, a paciência e a tolerância estão lllááááááá em baixo.... rsrsrsr

Li um artigo bem legal e quero compartilhar com vocês, sobre os efeitos do Ioga no estresse. 

Estudo da Universidade de Manchester, no Reino Unido, comprovou que uma aula de ioga reduz os hormônios do estresse em até 14%


Para chegar a esse resultado, os pesquisadores dividiram 59 mulheres grávidas do primeiro filho em dois grupos distintos: um deles praticou o exercício durante oito semanas e o outro não. Durante esse período, as gestantes responderam a questionários sobre o estado emocional que se encontravam. Ao final, após a análise das respostas, os pesquisadores calcularam que uma única aula reduziu os níveis de hormônios do estresse em 14%. Isso acontece porque as atividades relaxam o corpo e fazem o cérebro liberar a serotonina, o hormônio do prazer.
Para a professora e especialista em ioga para gestantes Kátia Barga, de São Paulo, a prática também estreita o vínculo entre mãe e filho. “Durante as aulas, a mulher reflete sobre a gestação e compreende as mudanças no corpo, o que a deixa mais segura”, complementa Kátia.
Além da melhora no equilíbrio mental, a atividade também estimula a flexibilidade corporal e ajuda a gestante a manter uma boa postura, prevenindo as dores nas costas. Também prepara o assoalho pélvico - músculos localizados na região entre as pernas que ajudam a controlar o ânus, a vagina e a uretra - para o parto normal.
Adicionar legenda
De acordo com a ginecologista e obstetra Karen Camarotto, do Hospital Pérola Byington, de São Paulo, a ioga aumenta a circulação sanguínea, diminuindo o inchaço tão comum no fim da gestação. Como os exercícios de respiração fazem com que o coração bata mais depressa, os rins também passam a funcionar mais rápido, minimizando a retenção de líquido, que provoca o inchaço. Esse aprendizado também vai ajudá-la durante o parto.
Mesmo com o equilíbrio alterado durante a gestante, é possível praticar a atividade sem dificuldade, seguindo sempre as orientações do profissional, que deve ser especializado em gestantes, e ter o aval do obstetra antes de tudo. Segundo Kátia, algumas posições são proibidas: de barriga para baixo e as invertidas – quando a grávida fica de cabeça para baixo. “Na primeira, a pressão no abdômen é muito grande e a segunda pode prejudicar a oxigenação do bebê”, afirma a especialista.
Para alcançar os benefícios da ioga, é necessário regularidade nas aulas. Kátia aconselha que a gestante faça a atividade, no mínimo, duas vezes por semana. Se a gestante já praticava os exercícios antes de engravidar, ela pode começar já no primeiro mês de gestação. Caso contrário, é mais indicado iniciar após o terceiro mês. Não há limite para parar com os exercícios durante a gravidez. O mais importante é sentir-se bem nas posições e, claro, sempre conversar com o seu obstetra.
Após o nascimento do bebê, vale a pena continuar o
exercício. Apesar de não ajudar na perda de peso, por ser uma atividade de baixo impacto, a ioga relaxa e proporciona bem estar. Se você fez cesárea, deve esperar 40 dias para iniciar as aulas – por conta da cicatrização. Se o parto foi normal, já dá para voltar às atividades após 15 dias. E aí, preparada?

Um beijo Grande,
Boa Prática,
Personal Trainer Bárbara Campana

segunda-feira

Como o Horário de Verão Mexe com Você!

Oi Pessoal,
Com o horário de verão e o adiantamento dos relógios em uma hora, as pessoas dormem antes do habitual e acordam uma hora mais cedo. A alteração do horário de sono, segundo especialistas, pode trazer alguns prejuízos, como sonolência durante o dia, insônia à noite, cansaço, falta de apetite, podendo desencadear também sérios problemas de saúde como infarto.
Isso acontece porque, em condições normais, os diversos ritmos do nosso organismo estão sincronizados entre si, também aos ambientes de claridade e escuridão que se sucedem ao longo do dia.
Essa confusão que acontece no nosso organismo é um fenômeno que os médicos chamam de "desordem temporal interna". O organismo tende a sincronizar seus ritmos ao novo horário, mas cada ser humano tem uma velocidade própria de ajuste. Depois de alguns dias, a maioria das pessoas se adapta ao novo horário.
De acordo com algumas pesquisas, 25% da população não se adapta ao horário de verão e só melhoram o quadro de sonolência, alterações intestinais, mau humor matinal e irritabilidade quando volta o fuso anterior.
Quando você adianta em uma hora o relógio, a tendência é se sentir pesado nos primeiros dias. Até porque dificilmente alguém vai dormir uma hora mais cedo. Acordar com o dia ainda escuro também afeta a secreção do hormônio melatonina, acionado pela falta de luz, alterando o metabolismo.
Os hormônios são regulados pelo ritmo do dia, pela claridade do sol e pela escuridão da noite. Com o horário de verão pode haver atraso nessa secreção, causando sonolência por alguns dias, o que pode ser perigoso para quem precisa estar alerta no trabalho.
O médico especialista em cardiologia, Guilherme Honório Pereira, estuda os malefícios do horário de verão na saúde da população e enfatiza que estudos realizados em todo o mundo atestam os prejuízos causados ao sono das pessoas. Uma das pesquisas, realizada com 55 mil pessoas da Europa central, que continuaram no horário padrão por todo o horário de verão, analisou os picos de sonolência e do estado de alerta e concluiu que a adaptação nunca ocorre. “Essa pesquisa faz cair por terra o conceito de que ocorre apenas uma hora de perda no sono. Ou melhor, a perda não existe, pois, as pessoas acordam uma hora mais cedo, mas dormem uma hora mais cedo também”, pontuou o médico.
O cardiologista destaca ainda, estudos norte-americanos que atestam o aumento de 25% no número de ataques cardíacos na segunda-feira após início do horário de verão. Já no final deste horário foi verificada a queda no número de infartos em 21%. Para além disso, existem estudos que comprovam o aumento do número de suicídios, em decorrência de depressão causada por distúrbios do sono; aumento nos acidentes nas estradas, atribuído à sonolência diurna; diminui o rendimento escolar de crianças e jovens; e as consequências de erros profissionais que podem acabar em morte.
COMO LIDAR COM O HORÁRIO DE VERÃO
Para evitar a sonolência e o mau humor, a dica é dormir pelo menos dez minutos mais cedo a cada dia, durante dez dias. A adaptação lenta e gradual segue o mesmo ritmo do relógio biológico, sem causar reações no organismo.
O ideal é manter também a qualidade e a regularidade do sono, seguindo alguns hábitos. Escolha um ambiente escuro, silencioso, com boa temperatura todos os dias. Mantenha a prática regular de exercícios físicos. Mas evite fazer exercícios três horas antes de dormir, ingerir cafeína e comida pesada.

Espero que tenha Gostado :)

Um beijo grande 
Personal Trainer Bárbara Campana

sábado

Dor nos pés pode ser sinal de vários problemas; tire suas dúvidas

Oi Pessoal,

Curiosa em saber mais sobre dores nos pés e os tratamentos, fiz uma busca no Google e achei uma matéria bem interessante (este é o site). Segue a matéria.




Você nunca imaginou que seu pé fosse tão importante para o seu bem-estar até que ele passou a doer? Saiba que não está sozinho! De acordo com a Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé (Abtpé), mais de 70% da população mundial apresenta algum incômodo ou dor nos pés não decorrentes de trauma em alguma fase da vida. Problemas no tendão calcâneo (conhecido como tendão de Aquiles), metatarsalgia, joanete, fascite plantar, neuroma Morton, esporão do calcâneo, entre outros, tornam o simples ato de calçar sapatos um desafio e, no limite, chegam a ser incapacitantes em função da dor que causam ao andar.

Mas como saber se é o caso de procurar um médico ou se o assunto pode ser resolvido por um podólogo? Quem responde é o ortopedista do Hospital Felício Rocho Daniel Soares Baumfield. “O podólogo pode oferecer alguns alívios para os pés, como tirar calosidades, fazer massagem, orientar a hidratação. Mas quando uma pessoa sente qualquer alteração incômoda nos pés, que não faz parte do dia a dia, é hora de procurar um médico especialista no assunto”, orienta. Problemas no tendão calcâneo, o tendão mais forte do corpo, por exemplo, podem ocasionar desequilíbrios em outras partes do pé.


Baumfield explica que o tendão calcâneo tem a função de nos ajudar a dar passadas e, por isso, é fundamental para o arranque na hora de caminhar. Por ser muito importante para a movimentação, é preciso protegê-lo, alongando a cadeia muscular posterior das pernas. É esse alongamento que permite ao tendão ganhar elasticidade para distribuir corretamente a energia de forma equilibrada entre músculos, tendão e osso. Se a pessoa não se protege, tende a desenvolver doenças como tendinopatias insercionais (dentro do osso) ou não insercionais (fora do osso). “Quando está comprometido, o tendão calcâneo acaba provocando desequilíbrios e dor em outras regiões dos pés. Ele é uma das principais causas da fascite plantar e qualquer tipo de dor na planta dos dedos”, explica o ortopedista.

A fascite plantar é uma das principais causas de dor nos pés. Sua causa também pode ser um encurtamento da cadeia superior. Isso ocorre com bastante frequência entre mulheres que usam salto alto por um tempo muito longo durante a vida. É que o salto impede a musculatura de se alongar e encurta essa musculatura pelo uso excessivo desse tipo de calçado. As consequências são dores nas plantas dos pés no momento em que a mulher sai do salto alto, trocando-o por uma rasteirinha. “A fascite é um problema intermitente e, depois que aparece, dura em torno de 10 meses. O tratamento é baseado no alongamento da musculatura posterior da perna”, observa o ortopedista.

Outras doenças comuns que acometem os pés são metatarsalgia, que pode ter origem genética ou aparecer pela sobrecarga dos dedos, causada por uma alteração no formato dos ossos dos pés, e também em função da existência de joanete, que causa uma insuficiência do grande dedo, fazendo com que ele receba menos carga do que deveria, sobrecarregando os dedos menores. “Nessas situações, aparecem calosidades plantares, dedos em garra ou a sobreposição de um dedo no outro. Quando há um joanete, o grande dedo, que deveria receber dois sextos do peso da pessoa, passa a receber apenas um sexto. O resto acaba sendo absorvido pelos quatro dedos menores, que não estão preparados para recebê-lo”, explica.


As consequências são incapacidade de usar calçados habituais, já que as calosidades são dolorosas. Também pode haver inflamações das articulações (por atrito), bursite, incapacidade de fazer a atividade esportiva habitual e, no caso das mulheres, fica impossível combinar as roupas com os mesmos sapatos que eram usados antes de surgir o problema. Mas nem só de doenças causadas por maus-tratos do tendão calcâneo vivem as dores nos pés. “No pé há outros tendões, além do calcâneo. O cardo plantar nos dá suporte. Se ele falha, aparece o pé plano. Esse tendão também deve ser cuidado durante a vida. Para isso é preciso fazer alongamento, cuidar do peso, evitar a diabetes, fazer atividade física de rotina (com alongamento). É preciso criar rotinas propícias à saúde do pé”, orienta Baumfield.

Outro problema que costuma aparecer na planta do pé é o neuroma de Morton, espessamento de um nervo localizado entre o terceiro e o quarto dedos que pode ser causado por sobrecarga local, sapatos de bico fino, ou encurtamento da musculatura da cadeia superior por sobrecarga. Estimulado em excesso, esse nervo ganha uma “proteção’ e fica mais espesso, tornando-se maior do que o espaço que lhe é reservado entre os ossos. “Toda vez que a pessoa coloca o pé no chão o nervo sobe e fica entre os ossos, sendo comprimido. Isso provoca dormência, dor e desconforto. A pessoa não consegue calçar sapatos e se lembra a todo momento de que os pés existem”, explica o ortopedista.

SOLUÇÕES 

Os tratamentos clássicos para esses problemas mais comuns que afetam os pés vão de fisioterapia, alongamentos, uso de gelo no local, ingestão de anti-inflamatórios, infiltração e, no limite, cirurgia, conforme avaliação médica e de acordo com cada problema. Mas há também uma saída via acupuntura neurofuncional. É o que afirma o médico acupunturista Hidelbrando Sábato, que atua em clínica da dor e trabalha com esse tipo de acupuntura, que leva em consideração a disfunção física que provoca o problema. Vale para os casos em que a intervenção cirúrgica não é necessária, como fascite plantar, neuroma de Morton, esporão do calcâneo ou tendinite do tendão calcâneo. “É possível procurar a disfunção em determinado grupo muscular da perna e corrigir o funcionamento inadequado com a agulha”, sustenta.

Na visão dele, se a disfunção é corrigida, a dor acaba sendo tratada. “Claro que usamos a acupuntura clássica para resolver a inflamação e levar maior fluxo de sangue para o local, mas sem a análise funcional o problema não será tratado de forma adequada porque a lesão passa a ser daquele tipo que não cura nunca. “Se não levar em consideração o conjunto dos músculos e a relação entre eles, o sucesso é menor”, justifica Sábato.


Então agora que você sabe tudo sobre seus pés, cuide bem deles!
Beijo grande,
Personal Trainer Bárbara Campana

segunda-feira

Ovo Cozido - Como fazer e qual o tempo ideal

Oi Pessoal,


Para quem treina ou mesmo para quem busca uma alimentação equilibrada o ovo cozido pode ser consumido em qualquer hora do dia. É uma proteína completa, barata e muito fácil de fazer. Mas será se você faz ovos cozidos corretamente? Quando os ovos são cozidos demais eles costumam ganhar uma coloração cinza ao redor da gema e ficam muito secos. Achei um blog muito legal que fala sobre como fazer e qual o tempo ideal para cada tipo de ovo cozido. Espero que gostem. A matéria esta na íntegra no link FONTE logo á baixo da matéria. É só clicar. 




Informações nutricionais de ovos cozidos

 Mas, primeiro vamos começar pelas informações nutricionais, muita gente deixa de comer ovo durante uma dieta porque leu em algum lugar que ovo engorda. Ovo não engorda desde que seja na quantidade correta, os atletas fisiculturistas costumam comer cerca de 20 ovos por dia e tem uma porcentagem de gordura muito baixa, e alguns comem até mais porque tiram a gema porque querem uma concentração maior da albumina, que é um aminoácido presente nas claras e ajudam no ganho de massa muscular e manutenção da mesma. Mas claro que como qualquer alimento por mais saudável que seja, nunca é bom exagerar. Veja abaixo as informações nutricionais de ovos cozidos.



Como fazer ovos cozidos perfeitos

 Esse é o método mais prático que eu encontrei para fazer ovos cozidos e que sempre funciona. Você coloca a água para ferver e quando abrir fervura, você adiciona os ovos. Nisso você vai notar que na hora a água reduz a fervura, então você abaixa o fogo e deixa ferver conforme o tempo do tipo de ovo que você mais gosta. Os ovos precisam estar cobertos pela água para cozinhar bem, senão a gema pode ficar mole. Depois que retirá-los do fogo, jogue água gelada para parar o cozimento. Role em uma superfície plana para quebrar a casca e descasque com as mãos, ou corte no meio com casca mesmo e retire com uma colher. Tempo ideal dos ovos cozidos Aqui tem uma guia básico do tempo ideal para fazer ovos cozidos, mas essa textura pode variar conforme a temperatura do fogo que você deixou. Os meus ficam prontos em 5-6 minutos no fogo baixo. A clara do ovo geralmente cozinha em 1 minuto na água fervente.



Então vamos para cozinha!
Boa semana,
Personal Trainer Bárbara Campana

FONTE